quinta-feira, maio 22, 2008

Caminho certo

Que me aconselhariam fazer os meus caros e raros leitores, para obviar o estado de permanente surpresa dos nossos políticos?

Eu explico, ante-ontem, em Portugal, ficaram pelo menos duas pessoas de boca bem escancarada de pasmo - a primeira, foi o Senhor Presidente da República e, depois, com ele, fui eu!

Já a tarde ia alta, lá pelas 7:00 horas, vi descritos - no Público (aqui, se quiserem confirmar) - o estado de choque, espanto bem como os motivos pelos quais o Senhor Doutor Cavaco Silva foi apanhado desprevenido, num dos estabelecimentos do politécnico público, que decidiu visitar. O texto do Público, subscrito, por Margarida Gomes, rezava assim: «O Presidente da República, Cavaco Silva, confessou hoje, no Porto, que tinha "um conhecimento insuficiente do trabalho dos institutos politécnicos, principalmente na área da investigação e desenvolvimento", e exortou-os a apostarem na "diferenciação" em relação às universidades, porque esse "é o caminho certo". "Houve uma fase em que se pensava fazer dos politécnicos o mesmo que as universidades e eu sempre pensei que esse não era o caminho correcto".
(...)
"Eu próprio devo confessar que tinha um conhecimento insuficiente do trabalho dos institutos politécnicos, principalmente na área da investigação e desenvolvimento.

Estaremos nós no meio de uma daquelas preocupantes situações de pessoas distintas mas, exactamente, com o mesmo nome?

Quero dizer:

1 - Onde teria andado o Presidente do Conselho de Ministros de Portugal entre 1985 e 1995?
A maior taxa de crescimento dos politécnicos foi na vigência do seu governo.
Então, e deixam-se assim crescer "coisas" que não se sabe bem o que seja?:











2 - Onde terá andado o Senhor Presidente da República de Portugal, em 2007, quando aprovou, assinando de cruz, para o subsistema politécnico uma única classe de investigação, que não existe em Portugal, nem em lado nenhum, "Investigação Orientada", do famoso RJIES - assunto sobre o qual foi devidamente prevenido porque prejudicava a investigação no politécnico.

Se este Presidente da República não dá atenção ao que faz, como pode não se espantar, e não espantar os outros? Sobretudo, como pode dar agora conselhos?

Vamos começar por aqui: Quem são e de onde são os assessores do Senhor Presidente da República para a Educação Superior? Também não saberá quem são?


Deixo aqui, umas codiazinhas de pão, para que o Doutor Cavaco Silva e, na verdade, todos os nossos outros políticos continuem a demarcar o caminho certo do Politécnico, para continuarmos todos, com a boa desculpa, de desconhecermos qual é!

4 Comentários:

Anonymous MJMatos disse...

Há "lapsus liguae" manifestamente infelizes, não é, RN? Fica-se é com a sensação que este tipo de desconhecimentos vem sempre de pessoal das minhas bandas (digo isto sem querer dizer que, na outra banda, estará tudo muito certinho).
É por estas (e por outras) que sou monárquico e um bocadinho avesso a "vestir a camisola" do clube.

quinta mai 22, 12:19:00 da tarde 2008  
Blogger Alexandre Sousa disse...

Ah! Regina...
É por isso que me recuso a entregar o poder à geração dos jotinhas, mesmo que sejam rapazes e raparigas aí até 45 anos.
Não há muito que se chegue à geração prateada.

Um grande abraço pela coragem de dizer aos «que são dos nossos» que as multiópticas estão abertas 24 horas por dia e até têm à porta um senhor a entregar papeis, folhetos e catálogos.

quinta mai 22, 03:13:00 da tarde 2008  
Blogger Regina Nabais disse...

Caríssimos "mjmatos e "alexandre sousa". Obrigada por pertencerem aos que ainda teimam em pensar.
MJMATOS, não acha que nenhum de nós é de nenhuma banda especial...? Vai-se a ver, e o que todos gostaríamos era de trabalharmos em equipa, para um Projecto. Precisaríamos tanto de um Mourinho... Ele já terá o que fazer?
Alexandre, para mim, coragem, coragem mesmo, precisa muito de ter só quem fica impávido e sereno, quando nos parece estar a
"escutamor" barbaridades.

sexta mai 23, 08:38:00 da manhã 2008  
Anonymous MJMatos disse...

Tem razão, RN. Pensando bem, não há bandas: apenas uma, a do país (digo isto sem querer cair em patriotismos baratos, apenas no sentido de ter horizontes mais largos dos que os da "loja"). Daí a importância de termos relutãncia em "vestir camisolas".

sexta mai 23, 10:49:00 da manhã 2008  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial