quarta-feira, abril 23, 2008

Hiperrealidades e emergências

Meus caros e raros leitores, estou com uma vaga impressão que a nossa educação superior tornou-se numa sucessão de acontecimentos criados pela imaginação - hiperrealidades ou de cópias imperfeitas de um mundo real (Jorge Luís Borges?).

Enquanto as criações de eventos e de sound-bites se circunscreveram ao território exclusivo dos profissionais de comunicação social, embora influenciando a nossa agenda de discussões e de pensamentos soltos, podíamos dormir descansadinhos, mesmo de papo para o ar...

O pior é que, ultimamente, para todas as áreas do conhecimento, quase todos os dias descem ao terreiro da nossa indústria noticiosa sobre a educação superior novos protagonistas não profissionais - os freelancers - isto é, pessoas sortidas com propensões mais para o lado de "criadores de casos" (sérios) do que para o lado dos "criadores de acontecimentos"...

Como ninguém do milieu politécnico quis, se perfilou ou pretendeu aproveitar a "boquinha das fundações privadas de direito público", tenho andado eu, para aqui, conversando com os meus zippers, a meditar e a averiguar (sem sucesso) esclarecimentos sobre aquela "novidade intermitente" dos Consórcios de Instituições Politécnicas ou das tais Universidades de Ciências Aplicadas, de que já vos falei num dos meus posts de há uns dias atrás. Lembram-se? Esse mesmo dos camaleões! Cogitei também sobre as causas ou a origem da ideia, bem como dos circuitos e cruzamentos de supostas papeladas (propostas? e contrapropostas?) de que se desconhecem não só os autores como ainda os conteúdos: será o MCTES?, o CCISP?, Presidentes de Politécnicos? Alguns Presidentes de Politécnicos? Presidente do CCISP? O CRUP? (este para confundir....)? Apenas uma triste lembrança minha? (por distracção?)...

Eis se não quando, ontem, me aterraram no colo, uma outra vez, as seguintes notícias, ambas do Jornal de Negócios, subscritas pelo Jornalista Germano Oliveira, datadas de 22 de Abril de 2008 mas, desta feita, com informações recolhidas ao senhor Presidente do CCISP, respectivamente, nas páginas 33 e 34 - separata Campus do mesmo Jornal de Negócios: 1ª - Consórcios entre politécnicos e universidades estão em risco; e 2ª - Salvo quatro politécnicos não há dimensão crítica.

O Senhor Presidente do CCISP, como se não bastasse o RJIES falar, muito de relance em Fundações sem as definir, e colocando instituições respeitáveis na dúvida sobre como as concretizar, vem agora juntar mais uma peça ao puzzle e gasolina à fogueira, desta feita, envolvendo outras 15 instituições não menos respeitáveis - num dos artigos que referi, uma entrevista, o Senhor Presidente do CCISP diz-nos que pensa ser útil organizar os politécnicos em Consórcios, por NUT II, mas diz também que quer?/precisa? que uma entidade (o MCTES?) lhe defina, por ainda mais uma outra legislação (Decreto-Lei?), o que é que isso vai ser ou poderá ser... No entanto, diz-nos que já sabe que os futuros consórcios precisam de "lideranças fortes, responsáveis e responsabilizáveis"...
A questão a meu ver, está ainda muito longe de lideranças, pois se não se sabe bem o que é, nem para que serve, qual é a preocupação de se saber o perfil de quem irá por lá "mandar"?

Mas afinal:

- de onde é ou de quem veio mais esta ideia de Consórcio? - não será este termo, apenas um nome de baptismo, de uma repetição de outras tentativas anteriores sem qualquer sucesso?

- e, de onde veio a ideia das Universidades de Ciências Aplicadas (será isto só um nome "bonitinho" que, em Portugal, se dará aos tais Consórcios) ou corresponde aquela mesmíssima e gasta ideia de instituições alemãs e finlandesas, que são exactamente "os nossos" politécnicos, mas com esse nome?

- O RJIES impede a organização de consórcios e associações de instituições? Se as instituições se quiserem organizar, por qualquer objectivo comum quem as impede e como? O Senhor Ministro? Com base em quê?

- Se a legislação sobre os Consórcios é perturbadora para a actual fase de definição estatutária dos politécnicos porque surge agora e de repente mais esta questão, e não foi ela levantada na época certa? - isto é, antes do RJIES ser aprovado.

- A troco do quê, vai o MCTES no Despacho (??) impedir uma associação entre Politécnicos e Universidades? Não vai, nem pode!

- O que é que, exactamente, foi obstáculo para racionalização de recursos, que agora parece resolúvel pelos consórcios? Por favor, não nos diga que nunca foi tentada? Sabe porquê? Porque foi, por muito demasiado tempo!

- A massa crítica que não existe deve-se apenas ao tamanho das instituições - número de alunos? ou de ausências efectivas e pensadas políticas institucionais de formação?

- Os ditos 4 grandes politécnicos têm todas eles massa crítica?

- Como é, exactamente, recomendada a arquitectura dessa massa crítica?

Perante estas questões e muitas outras, na verdade, penso que não seja o receio da perda de autonomia que faz as instituições politécnicas não aderirem bem à ideia, o que as afasta é não se perceber bem a ideia. Explique lá outra vez, por favor!

Engano-me muitas vezes mas, sobre esta questão destes consórcios, não tenho qualquer dúvida em identificar se se trata de uma ideia estratégica ou de um plano de emergência - útil para quê? ou para quem?

_______________

Sabem uma coisa? Penso que o artigo, de que lhes junto as referências em seguida, apesar de antigo, dá-nos belas pistas do que parece estar a acontecer com esta súbita criatividade e urgência insistente sobre consórcios dos politécnicos, pelas NUTII: JORNALISMO E ELITES DO PODER, Estrela Serrano, Escola Superior de Comunicação Social. UBI. 1999.
http://www.bocc.ubi.pt/pag/serrano-estrela-jornalismo-elites-poder.html

6 Comentários:

Anonymous John disse...

Hi Regina,

first of all, many thanks for your blog and all the comments and info you share there.

We have a blog on Safety and Health at Work
and we would appreciate if you could include a link to it in yours, since I am sure it will be interesting for your readers.

Thanks in advance.
John

quinta abr 24, 08:23:00 da manhã 2008  
Blogger Alexandre Sousa disse...

Olá Regina;
Um grande abraço pelo combate!
Ambos os dois sabemos que esta guerra é a favor dos que hão de vir. Mas que diabo...
Também, para que servimos nós, se não for para estas coisas de "Safety", "Health" & "Work"???

quinta abr 24, 02:11:00 da tarde 2008  
Blogger Regina Nabais disse...

Hi John, you are always most welcome to my blog on Higher Education Portuguese Policies issues. Tonight I’ll add your Thematic URL address, near that of the European Agency for Safety and Health at Work, I've been there and it seems to be very usuful.
See you...

quinta abr 24, 02:52:00 da tarde 2008  
Blogger Regina Nabais disse...

Olá Alexandre Sousa,
Obrigadíssima pela compreensão e suporte, especialmente, porque sei que entende bem o que estou a tentar dizer - nenhum problema surge por se discordar ou não de opiniões, os problemas só acontecem quando não se viabiliza sequer a discussão para a definição OPORTUNA de opções.

quinta abr 24, 02:59:00 da tarde 2008  
Anonymous Anónimo disse...

Cara Regina,
Felicito-a pela luta que tem travado sobretudo a denunciar as estratégias do poder instalado e que se pretende perpetuar.
Parece-me, mais ou menos evidente, que:
- Existem presidentes de Politécnicos (e do CCISP...) que se encontram a concluir o seu último mandato, e como tal, estão a tratar do (seu) futuro.
- Tentam (desesperadamente) convencer a tutela a criar consórcios com as competências previstas no RJIES para as Instituições de Ensino superior.
Na prática pretendem "transformar" as escolas em departamentos, os politécnicos em escolas e o consórcio (de politécnicos) em universidade!
- Convencem os seus homólogos (presidentes) que "ou fazemos o consórcio ou corremos o risco da tutela impor um modelo"
- Utilizam a sua formação e experiência profissional para redigirem projectos de lei, estatutos e regulamentos com redacções dúbias, complexas, e.
- Definem o (seu) perfil para liderarem os consórcios, de preferência em regime de instalação...
- Ambicionam ser reitores, e como tal propõem-se liderar uma Universidade ... "novas oportunidades" para quem possui como grau académico (mais elevado) o de licenciado, e anda a frequentar um doctorado tipo "farinha amparo".
- Apenas estão interessados na criação do(s) seu(s) Consórcio(s), independentemente dos aderentes.
- Enviam "recados" através do blog do Jornal de Negócios, sempre através do mesmo interlocutor.
Tudo resto é "fumaça"....

quinta mai 01, 03:58:00 da tarde 2008  
Blogger Regina Nabais disse...

Caro Anónimo, agradeço a apreciação e também as achegas.
Creia-me, ninguém batalha porque queira, tão somente, quando é necessário e pode.

quinta mai 01, 08:22:00 da tarde 2008  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial