terça-feira, junho 16, 2009

como o linguado e não como a solha

MINISTRO DEFENDE CONCURSOS PARA ENTRAR NO POLITÉCNICO - Ver (aqui)
:
Sabem uma diferença importante entre um linguado e uma solha?
Já repararam na localização dos olhos?
Se não quiserem dar-se ao trabalho de ir verificar, eu vou exemplificar a diferença, com a forma como o Senhor Ministro da Ciência e Ensino Superior vê o ensino superior português - por mais que se esforce, nunca vai conseguir ver o ensino UNIVERSITÁRIO.
Duvidam?
Olhem aqui só algumas provas:
1 - O Politécnico deve fazer investigação orientada (ninguem sabe o que isso é e o RJIES não explica) e a universidade daquela outra (que também não se diz qual é, mas deve ser indeferenciada);
2 - O Politécnico deve exigir elevados padrões de formação e qualificação de todos os docentes (e restantes colaboradores), e depois disto abrem-se concursos, e dos primeiros só entrarão os melhores.
[E eu CONCORDO EXACTAMENTE COM ISSO! Desde que o TAL MELHOR saiba, exactamente, ao que vem, o que precisa fazer e, sobretudo, em que condições vai ter que trabalhar**.] Mas, pelos vistos, se for uma coitadinha de uma Universidade, pode ver-se obrigada a conservar os seus eventuais trastes porque... porque tudo bem,.... é o que a Constituição manda.
3 - O Politécnico tem que ter 35% dos seus docentes, doutorados ou não, considerados especialistas PROFISSIONAIS, mas a pobre da Universidade, pelo que se depreende, pode ter que contentar-se com amadores.
(um aparte: Por falar em Constituição da República Portuguesa - nesta coisa do ensino superior -manda poucochinho; nisto --- considerando o que disse o CCISP à comunicação social, sobre os especialistas --- pode-se concluir que a constituição Portuguesa pode ir perfeitamente às ortigas).
4 - No politécnico sobe a Coordenador Principal, literalmente, qualquer um com uma prova equivalente à Agregação e, pelo jeito, até pode ser um qualquer imprestável encalhado na carreira universitária, a descer lá das alturas, para aterrar em grande forma no topo da carreira do politécnico, sem lenço e sem documento.
5 - Não sei de que é que os politécnicos (menos o CCISP) tanto se queixam. Afinal, o senhor Ministro Mariano Gago "adora" o politécnico!! Tanto, mas tanto, que até diz que vai gastar mais dinheiro. Em quê? Mas isso não interessa!!!...
Tal como um linguado, o senhor ministro, só tem olhos para um lado, e precisamente, para o do politécnico.
Bem haja!
________________
Aliás, é só por causa desta sua devoção obsessiva ao subsistema politécnico, que o senhor ministro, em compensação, assegura e enviará para as universidades, na amarra, uns milhares de clientes nos próximos anos.
E, estes clientes -- se forem como a maioria daqueles que eu conheço --- leccionarão e avaliarão, em simultâneo, centenas de alunos de 6 (ou mais) unidades curriculares bastante diferenciadas, mantêm em operação laboratórios e oficinas tecnológicas, gerem a papelada e burocracia de cursos, departamentos e protocolos com as empresas, quando não gerem também escolas e conselhos técnico-científicos das mesmas, coordenam os projectos de que conseguirem financiamento, dão apoio à comunidade e, na volta, prestam serviços; e, claro, enquanto descansam --- não fazem mais do que a sua obrigação --- quando pagam do seu bolso todas as despesas dos seus doutoramentos, estes para produzirem uns papers, e umas apresentações em seminários, congressos e colóquios, para que os seus orientadores juntem umas quantas linhas aos seus currículos e centros de investigação e, nas horas vagas, até registam protótipos, patentes e marcas.
Não conhecem ninguém assim?
Ah que coisa tão estranha, porque EU CONHEÇO VÁRIOS!
Então, e agora, digam-me lá, a diferença de localização entre os olhos da solha e os do linguado? Muito bem, é isso mesmo, um desses bichos, tem os dois olhos juntos, só vê um lado.
_____________________________
**Atenção porque: No subsistema politécnico, não há aquela maravilha que é a mão-de.obra gratuita (ou até pagante) de doutorandos desesperados, e os mestrandos e alunos de licenciatura saiem para estagiar fora das escolas, porque os trabalhos de fim de curso destes formandos do politécnico precisam de ser PROFISSIONALIZANTES, e naturalmente têm de ser orientados, e executados nos prazos pré-acordados, com as empresas, que naturalmente serão os docentes a orientar onde quer que, neste mundão de meu Deus, os estágios decorram.

3 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

*Carlos Rabadão vence Luciano Almeida nas eleições para Provedor do Estudante do IPL*

Carlos Rabadão, docente da ESTG, venceu Luciano Almeida, Presidente do Instituto Politécnico de Leiria, nas eleições para o cargo de Provedor do Estudante realizadas a 15/06.

De acordo com os resultados apurados, os alunos do IPL apoiaram inequivocamente o Professor Carlos Rabadão, que obteve cerca de 2/3 dos votos expressos, tendo sido vencedor nas mesas de voto da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (Leiria), da Escola Superior de Arte e Design (Caldas da Rainha), do Campus 5 (Leiria) e dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) de Pombal e Pedrógão Grande.

Os resultados, que podem ser consultados no despacho em anexo foram os seguintes:

o Votantes 1111;
o Luciano Almeida (Proposta A) - 352 votos;
o Carlos Rabadão (Proposta B) - 698 votos;
o Brancos - 39 votos;
o Nulos - 22 votos.


O processo eleitoral poderá ser consultado em
http://www.ipleiria.pt/portal/ipleiria?p_id=13681&content.id=152106


*Alunos "chumbam" Luciano Almeida e "aprovam" Carlos Rabadão*

A poucos meses de deixar o cargo de Presidente do Instituto Politécnico de Leiria, cargo que exerce há mais de 10 anos, Luciano Almeida vê os alunos do IPL escolheram uma candidatura a Provedor do Estudante proposta por mais de 300 alunos de todas as Escolas, como foi a de Carlos Rabadão, em detrimento da candidatura de Luciano Almeida, que era apoiado por quatro das cinco associações de estudantes das Escolas do IPL.

Na decisão de cerca de 2/3 dos estudantes que votaram, deverá ter pesado o facto de Luciano de Almeida não leccionar há mais de 10 anos, a instabilidade causada pelo Calendário Escolar inicialmente aprovado, o valor das propinas e os preços praticados nos Bares e Cantinas.

Os alunos também não terão gostado de ver o Presidente candidatar-se ao cargo de provedor quando está ainda em funções, nem a uma menor disponibilidade devido à eventual acumulação de funções académicas e políticas, pois, segundo a imprensa, Luciano Almeida deverá ser o número dois da lista de Isabel Damasceno à Câmara Municipal de Leiria.

quarta jun 17, 01:15:00 da manhã 2009  
Anonymous Anónimo disse...

O Ministro tem razão para se preocupar tanto com os Politécnicos, pela simples razão que são os Politécnicos e não as Universidades que tem mais de 50% do seus docentes contratados por convite. E todos sabemos como funcionavam esses convites, não é ?!

quinta jun 18, 09:55:00 da tarde 2009  
Blogger Regina Nabais disse...

Anónimo (9:55 h):

Ponto 1 - É uma verdade que o Regime Contratual DOMINANTE nos Politécnicos é uma VERGONHA NACIONAL.
O que eu estranho é a necessidade de se "torrarem" quase 4 anos (30 anos se contarmos com todos os governos antecedentes) para se chegar a essa conclusão, sem se introduzirem INSTRUÇÕES IMEDIATAS de rectificação de TODAS as situações.

Ponto 2 - Talvez também não sejamos todos, TODOS, e EM TODOS OS LADOS, a SABERMOS como funcionam «esses convites». E, se calhar, este facto seria um bom ponto de reflexão para TODOS, TODOS e quando digo TODOS, não excluo ninguém, em especial, o(a)s Senhore(a)s Ministro(a)s.

Ponto 3: Mas, é verdade ou não que também existe a construção desconstrutiva e/ou vice-versa?

quinta jun 18, 10:46:00 da tarde 2009  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial