segunda-feira, maio 04, 2009

Artesanando a economia

Num país como o nosso, justamente, porque não entendo nada de economia ou de vinho e seguindo, quiçá, os exemplos que vêm do "alto", também me sinto perfeitamente habilitada para "falar" de uma coisa e da outra...

Ora, aqui vão dois palpites avulsos:

1- Identifico-me, totalmente, com o sentimento do Presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, quando na última 6ª feira, depois de dizer que a crise nasceu nos países de pessoas loiras e de olhos azuis, ainda afirmou que desta vez a turbulência foi provocada por pós-graduados das nações desenvolvidas, porque sabiam tudo quando a crise era na Bolívia, no Brasil e na Rússia, mas que não sabem nada quando a crise é no quintal deles. (ver aqui).
Esqueci de vos dizer que esta afirmação, foi dita durante um evento importantíssimo para o Brasil - a confirmação da possibilidade exploração económica de crude num extensa camada de pré-sal (ver figura abaixo) durante o qual Lula da Silva defendeu a Petrobrás, contra a necessidade de se criar uma nova empresa estatal paraa exploração da camada pré-sal classificando de - ´inusitada´ a polémica em torno da criação de uma nova estatal para gerir o petróleo do pré-sal e descartou a medida: ´Seria como se eu acordasse um dia e dissesse que minha mãe não presta mais e quero outra. Isso não existe. Mãe é única e a Petrobrás é a mãe da industrialização deste País´ (aqui).
Se isto tudo se tivesse passado entre nós, a Petrobrás teria sido já, discreta e estrategicamente, remetida para canto e, em seu lugar, instalar-se-ia uma outra coisa qualquer desde que mais espampanante ou sofisticada e cara, mas bem menos eficiente...
Por ser, de facto, uma guerra, com mais de três décadas, só agora vencida, o Brasil, a Petrobrás e o seu inteligente e hábil Presidente merecem ter tido essa, chamemos-lhe, de sorte.

2 - Entretanto, bem mais perto dos nossos fusos horários, o ardido e pessimista encartado, Medina Carreira concedeu mais uma das suas abrasivas entrevistas ao Correio da Manhã (aqui). Pois... e, como sempre, para mim, ele tem toda a razão.
Neste nosso país de bom vinho e má economia pessoas como ele são inoportunas e incomodativas...
Fico sempre à espera que os nossos optimistas malignos se lhe oponham, à sua altura, mas parece-me ser apenas só mais uma das minhas esperanças inglórias...
_______________
Reuters News. 01 Mai 2009 - Economia internacional, Lula: líderes de países ricos não têm resposta à crise


2 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Quem a ouve dissertar tão eficaz e assertivamente, desconhece que o último artigo "internacional" onde aparece o seu nome e referenciado pela Scopus é de 1997.

terça mai 05, 11:40:00 da tarde 2009  
Blogger Regina Nabais disse...

1. OBRIGADÍSSIMA caro Anónimo. Foi uma excelente notícia, eu nem sabia que o meu nome estava lá cadastrado. Vou confirmar... Bons tempos esses, os de 1997. Éramos todos muito mais novos...
2. Pensa, seriamente que, para se fazer uma ideia precisa e formarmos a nossa opinião sobre o mundo em que vivemos, é condição necessária e suficiente que o nosso nome tenha registos recentes numa determinada Base de Dados como, por exemplo, a SCOPUS?
3. Já agora - e não vindo nada a propósito - mas há, felizmente, muito mais vida em publicações
'internacionais' de referência, para além da SCOPUS. Mas, naturalmente, também sabe disso, não é verdade?

quarta mai 06, 12:42:00 da manhã 2009  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial