quinta-feira, dezembro 27, 2007

Canja de galinha para o farnel do pescador

Na página 12, da Edição impressa do Jornal Público, de hoje, Bárbara Wang assina um artigo com o seguinte título: "Universidades e politécnicos podem mudar mas Governo tem de dar passos concretos" de onde, como seria de esperar, extraí a inevitável frase: "...Mas, dizem os responsáveis das universidades e institutos, tudo depende da regulação da lei, da reorganização da rede de instituições e... da lei do financiamento."
Umas frases adiante ainda podemos ver que alguém questiona a ideia da fundação, depois do subsistema a que pertence ter reivindicado a possibilidade. Queria muito, porque queria também fundações mas afinal não sabia para quê...

Ainda por cima, neste mesmo artigo, vem um reitor, que até sabe o que é uma fundação de direito privado, inventar uma nova filosofia económica - "financiamento competitivo" (???!!....Que giro...).


É verdade que o Ministro, até agora, perdeu todo o seu tempo mas. desta feita, não vai ser por responsabilidade dele que, com o novo ano e tudo, voltaremos às pechas velhas.

O RJIES possibilita-nos autonomia da gestão financeira dos meios e recursos que conseguirmos captar, mas não garante o "carcanhol" todo, propriamente dito. Dinheiro estatal só o de ratios e de Contratos-Programas plurianuais.

Ninguém parece convencer-se que se tem mesmo que ir pescar para a merenda... a menos que o ministro junte aos apetrechos de sobrevivência institucional, umas canjinhas de galinha= (financiamento competitivo?).
_______________

PS - Imaginem os meus caros e raros leitores só a bela ideia de nos podermos ver livres de trambolhos regimentais como os corre-corre para gastar as verbas de final de ano, as especificações paralisantes do Decreto-Lei 197 de 1999, e bloqueadoras de Códigos de Procedimentos Administrativos, e passarmos a "Códigos Fiscais", de dispensarmos assinaturas - discutidas à consumos de paciência de confissões pseudo-políticas da cadeia financeira presidencial e/ou reitoral, me faz rejubilar.
Também é um regalo, por acréscimo, a perspectiva de podermos ver-nos livres das actuais circunstâncias em que, se a gestão de topo for suficientemente inconsciente, pode até decidir que financiamentos de projectos nacionais ou internacionais consignados servem bem para pagar remunerações certas e permanentes, ou coisas sortidas que o valham...
Acham que isto não é verdade? Ora, meus amigos, perguntem por aí...

ESCLARECIMENTO - O título do post foi inspirado no do livro "Chicken Soup for the Fisherman's Soul".

Etiquetas:

2 Comentários:

Blogger fernando disse...

Gostaria de lhe propor um desafio. Imagine que era a Srª Ministra da Ciência Tecnologia e Ensino Superior, quais é que eram as suas receitas para fazer um saneamento financeiro desse sector?

sexta dez 28, 08:32:00 da manhã 2007  
Blogger Regina Nabais disse...

olá "fernando",
Claro que não posso aceitar este seu desafio (provocação?) à letra - que Deus me livre e guarde, jamais seria uma coisa dessas, nem em pesadelos...
Mas vou dedicar-lhe a si, a seu tempo, um "post" ao que, como cidadã, eu contribuiria de bom grado e gostaria que fosse feito em Portugal, pela Ciência Tecnologia e Ensino Superior, cujos eixos de intervenção seriam - Planeamento Estratégico Participado, Definido metodicamente, Absoluto Rigor Orçamental/Prazos de Execução, e TOTAL Transparência de Procedimentos.


Fique bem "fernando", tenha um excelente 2008.

sexta dez 28, 05:13:00 da tarde 2007  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial